Notícias
 
Capa 2
 
22/09/2018
Banda Rasga Mortalha com primeiro disco no ‘forno’
 

O grupo, que chama a atenção pelo visual, passou por uma eletrificação com a adição de vários instrumentos

Wagner Gil

Rasga Mortalha é mais uma dessas bandas que se destacaram durante o São João em Caruaru, em polo alternativo, com um up grade: o figurino. Fundada em 2015, por Gabriel Bezerra, Matheus Monteiro e Luiz Ribeiro, a sua origem era como um trio de cordas e batuques. Hoje, misturando o rock e o ‘noise' a ritmos brasileiros/nordestinos, o grupo, a partir dessa sonoridade, executa uma "música híbrida", e se prepara para gravar o seu primeiro disco.

Formado em Caruaru, o grupo se prepara para o lançamento de um single, prelúdio para o primeiro disco, com previsão para o final deste ano. A ideia é lançar o single antes do dia 20 de outubro, quando a banda se apresentará na versão pernambucana do Coquetel Molotof, em Belo Jardim.

Ao mesmo tempo, sua identidade musical passa por um processo de reinvenção, onde novos integrantes e instrumentos são atribuídos e a sua musicalidade passeia por caminhos desconhecidos daqueles trilhados quando a Rasga Mortalha foi criada.

De acordo com o vocalista Luiz Ribeiro, agora, com a gravação do seu primeiro trabalho de estúdio, o sonho de conquistar o país é real. O grupo traz uma música de muita qualidade com influência no jazz, no blues e na tropicália. "Nós costumamos dizer que nossa música é híbrida. Tem a influência de muitos sons, mas acredito que nosso principal foco é a tropicália", afirmou. A banda vem amadurecendo e com uma nova formação traz mais pesquisa e qualidade ao trabalho musical", completou.

O grupo, que chama a atenção pelo visual meio tribalista, passou por uma eletrificação com a adição do contrabaixista Igor Santos e com a entrada de Cássio Torres, Carlinhos Aril e Victor Rossano, que tocam sanfona, violão e percussão. Os instrumentos foram integrados às performances, trazendo uma espécie de regionalismo futurista, ao mesclar a música psicodélica e uma MPB mais urbana.

Com uma rica bagagem musical, a Rasga Mortalha percorreu inúmeros festivais pelo país. Tocou no São João de Caruaru, no projeto Quartas Acústicas e no polo Azulão (2018); em Campina Grande (PB), no 3° Acampa Nacional do Levante Popular da Juventude; em Belo Horizonte (MG), no Primavera Folk, em 2017, ao lado de nomes como Helio Flanders, da Banda Vanguart; e no Recbeat – Caruaru, em 2018, no mesmo line-up de grupos como Ifá (BA) e Projeto Arrete.

O grupo ainda esteve no Feira Cria, UFPE – Caruaru (2017), e na Terça Musicle, Nordeste Psicodélico. "Nós também participamos do Festival da Coruja, em Bonito (MS)", finalizou Luiz Ribeiro.

Mais informações e contatos para shows pelo telefeone (81) 99618-2014.

 
 
 
 
publicidade